terça-feira, 26 de junho de 2018

quinta-feira, 21 de junho de 2018

A desconcertante obra de Emil Cioran

 

A timidez, inesgotável origem de tantas infelicidades na vida prática, é a causa direta, mesmo única, de toda a riqueza interior.
Emil Cioran


Silogismo da amargura de Cioran…Nessa manhã uma postagem de Nydia Bonetti me encantou. Fui no Pensador e li inúmeros textos desse escritor. E agora, estou tentando achar o livro em pdf. Nas manhãs não me aprofundo nas leituras. Fui trabalhar no “hospício” epa, escola. O humor de Cioran iria combinar.
Descobrir nomes da literatura me faz sentir um não escritor. Quantas genialidades por ai e só a solidão nos permite chegar a esses homens e mulheres. Li numa matéria que um país frio, pessoas quase tiram a roupa depois do serviço, para beberem. Prefiro a ousadia dos loucos e escritores. Artistas, esses ousam mais que qualquer droga ou religião. Está tudo dentro de nós. O mundo não existe e sim a obra de um autor quase sagrado e profano. Curto ultimamente um canal de contatos com o cosmos; Sou aberto a navegação. A vida é bem mais que cotidiano.
Hoje haviam duas garotas no ônibus, no banco de trás. Quase não desci no ponto. Falavam da vida com um sentido de primavera. A vida para mim é primavera e inverno. Sempre mudo de humor. A rotina nos ajuda em nossa solidão, assim como a literatura, a vida inteligente em meio a latrina das redes sociais.
Descobrir Cioran é acha energias para entendermos a vida, já não sigo nada além da minha consciência. Sigo um caminho cada vez mais solitário. No fundo estamos sós, sempre procuramos deuses fora e esquecemos da energia do cosmos que nos habita.
Cioran é um escritor a se desvendar. Quantos livros por ler? E tudo é restrito…A economia nos prende a afazeres que nada nos dizem. E tudo passa! Cuidado ao atravessar portais podem estar adentrando a uma caverna mais sombria ainda.
Não entendo nada de baixar pdf. É difícil achar o livro que se quer e sorvê-lo, abastecer de sabedoria. Nós, que estamos sempre em trevas.
Vi pílulas de Emil Cioran no site Pensador. A delicadeza de seus pensamentos, quero achar esse e outros livros desse autor. Faz dias, semanas que não mergulhava em algum escritor. Ando lendo coisas de pedagogia para garantir o chá das cinco. Não gosto das atribulações da vida. Hoje, ao voltar para casa, entrei num ônibus com uma colega, desci e continuei a pé. Ônibus lotados não me agrada, nem a poluição das grandes cidades. Não temos para onde correr, enquanto não chega o não existir. A senhorita morte! Que seja bela e afável. Perfeita! A morte deve ser um trauma descomunal para nós e os que ficam. Uma enorme escuridão e esquecimento. Sem deuses, portais e universos. Dizem existir sete universos.
Mas não sei escrever trovas nem desenhar, só gosto de ler, caminhar e ver as árvores…Opa, parece Fernando Pessoa, grande mestre. Emil Cioran é outro e a Penalux nos traz Jack London, muito talento. Gostaria de passar madrugadas inteiras a ler, mas acabo tentando ir as estrelas, navegar no infinito. O canal de Marcelo Marins é navegar por universos conhecidos e desconhecidos. Literatura da vida!
Vida quase breve! Amanhã avisto a Mantiqueira dessa Vila que moro, não irei atravessar o Espelho até a terra original. Fico por aqui, enquanto não moro diante do Atlântico. Hoje, brinquei para que se faça uma prova de arte? Quando for secretario de educação acabo com isso. E ai me perguntaram, você quer ser secretario? Disse não, quero ser ministro!
Só quero uma casa numa cidade tranquila, sem poluição do ar. O Brasil é imenso. O Vale do Paraíba é bem mais que a ilusória São José dos Campos!
Só deixo o registro da descoberta ou redescoberta da obra de Emil Cioran. Só nos resta navegar em sua obra e desvendar nossas almas.

Joka Faria

João Carlos Faria
 
Junho de 2018

 

segunda-feira, 4 de junho de 2018

Pré - Colombiana

Edu Planchez

https://www.youtube.com/watch?v=fjOIsUTKoYQ


 
 
Publicado em 11 de jan de 2008

domingo, 3 de junho de 2018




Clarice Guimarães

Vestido ,
Veste –se a mulher ,
Porque não o homem ?
Nenhuma liberdade ao homem ?
Nem a calma de ser o que é o homem ?
Sem liberdade , andar por ai ?
O homem escravo das convenções sociais ?
Liberdade de ser , sem rótulos !



quinta-feira, 31 de maio de 2018


Kanto canções …


Mesmo estando "amor..tecidos", fomos tecidos de amor. (teresa ben)

Teresa Cristina Bendini


Talvez o que nos desespere é a falta de oxigênio. Matéria de amor , vida.
Almas desencantadas,
Kanto canções …
O amor nos desespera, dias de desencanto .. Euforia , êxtase ..

Outono , marginal .. Vias interditadas de galáxias não desbravadas.

O amor que não nos sobra , nos falta ! Desencanto , interdições .. Cargas de desesperança.

Sorria sempre , o não estado , o não governo ,

Kanto canções …

Não desbravamos a arte de amar , ousar , pausar ,

Pensar além de amarras , não ao ódio sim ao amor .

Kanto canções…

Leio vagarosamente poemas !

Desbravemos as possibilidades de construção das palavras.

Caetanear , Mutantes …

Vida , breve , incêndios de amor ..

Talvez o que nos desespere é a falta de oxigênio.


Joka Faria

João Carlos Faria

São José dos Campos , Maio de 2018 com seu ar podre , poluído sem vida.

São Paulo, Brasil

Inspirado na poesia de Teresa Bendini e o uso do K numa postagem de Fernando Selmer.

sábado, 26 de maio de 2018

De (S)respeito

Desrespeito ao próximo, etnias, minorias.
Nuvens de gafanhotos corruptos.
Toneladas de herbicidas
separam o joio do trigo.
Aos poucos me afasto desta névoa fria
que paira sobre o mundo.
Saturnal plutônica esfomeada
paranóica internética trêmula.

Tento salvar meu coração
e outro platônicos desejos.
Marimbondos e suas construções
tubulares de barro,
a barba negra do picumã,
o perfume silvestre
dos favos na melgueira.
Um bom café remove montanhas de preguiça,
o peregrino de Nietsche encontra a filosofia da manhã.
Irradiações, super bactérias, roteadores, torres de celulares.
A população indefesa foge do trópico de câncer
——————- linha que ecoa dor———————–
++++++++++++++++linhacruzada+++++++++++++++++
YYYYYYYYYYYYYY linhadepasse YYYYYYYYYYYYYYYY
Por hora navegarei com Oswald de Andrade
a nau dos condenados, guiado pela estrela do absinto.

terça-feira, 15 de maio de 2018




 edu planchêz

Sobre a cauda da mulher televisão

A noite alta de pessoas palavras
acho que veio de Petra
para ficar para sempre
sobre a cauda da mulher televisão

A noite suplica aos olhos do desejo:
descortine as intimas peças!

A mordida de amor dos lobos
cresce na noite alta de pessoas palavras

A magia das sapientes letras se enrosca
lentamente nos zumbidos arfantes
vindos da cinemateca mulher

Procuro Anaís nos corpos
do meu português experimental,
nos panos aquecidos
do corpo capital das navegações possíveis,
nos caminhos de Buena Vista

edu planchêz