sexta-feira, 7 de março de 2008

A GRANDE MONTANHA



À GRANDE MONTANHA

Numa manhã ensolarada de verão, ouço músicas vindas do silencio do abismo...homens e mulheres ...caminham juntos num abismo de dores e amores.

Estou em silencio diante do mistério de vírgulas e pontos...Esperando o amanhecer de uma nova humanidade...tudo escuro diante de meus olhos sedentos de amores.

Não temo nada além de mim mesmo...vejo um show dos Rolling Stones de 1969, meses antes do meu nascimento.

Nesta era de Aquário sou ao mesmo tempo, Demônio e Anjo... Tentando dissolver o eu.

vejo lindos olhares neste imenso verão...caminho pela cidade sem nada dizer. Ouço passos ao meu lado, lindas mulheres, vários olhares.
O que somos além de tudo o que vemos? Sinto presenças vivas a todo instante.
Vejo a Bela e Grande Dama, A Mantiqueira, cercando meus olhares. Quero adentrar ao seu útero terrestre e saber das historias de outros tempos, ver o futuro e mergulhar dentro de mim mesmo. Sou eu ou não, que caminha nesta tridimensionalidade? Sujeito de milhões de anos. Quando partirei não sei? Venho fazendo esta viagem em torno da Grande Montanha, dando voltas e mais voltas num circulo de 108...108...108....segredos e desejos. Canto Amém, Canto Amém a todos os anjos, que nos guiam e protegem nossa jornada.

Sou Filho da Mantiqueira... Quero seguir e alcançar o eterno absoluto!

Joca Faria