segunda-feira, 1 de setembro de 2008

Barraco na fila do banco

Fui pagar uma conta no Banco do Brasil. Como não tenho conta lá, não pude usar o caixa eletrônico. Chegando no atendimento geral, havia uma fila gigantesca. Entrei na fila, mas havia um cara falando muito, muito alto. Não bastasse isto, era daquele tipo que fala mal de Deus e o mundo e chegou a gritar que o brasileiro era o povo mais covarde do mundo.

Falei: "Com licença, vou ser obrigado a ouvir sua voz até o fim da fila? Você não está conversando, está fazendo discurso. É candidato a vereador?"

Ele disse que estávamos numa democracia e poderia falar à vontade. Respondi: "Não está vendo que está incomodando a fila? Já pensou se eu começassa a falar alto: [Falando bem alto] E aí, pessoal, assistiram ao jogo ontem? [O banco inteiro me olhou]".

Um cara que falava com ele respondeu: "Os incomodados que se mudem". Respondi:

- Os incomodados que se mudem o caralho! Os incomodados que se mudem o caralho! Eu tenho que ficar nessa porra dessa fila para pagar minha conta. Você vai pagar minha conta? Vá se foder!

Funcionou. Até o final da fila, eles passaram a conversar baixinho, embora tivessem me lançado várias farpas, incluindo ameaças de morte, sem falar que ficaram me olhando feio até o fim. Também foram embora me olhando feio. Eu fiquei em silêncio e não olhei mais para eles, afinal eu já havia conseguido o que queria, que falassem baixo para que eu pudesse aguentar aquela fila maldita. [Ou bendita, pois paguei a conta enfim].

Saí do banco procurando por eles, achando que estavam me esperando para trocar socos comigo, mas desapareceram como ladrões de banco. É o velho ditado: cão que ladra não morde.

Um comentário:

Å®t Øf £övë disse...

Rynaldo,
Bela atitude a tua, mas deixa-me que te diga que é preciso coragem!!!
Abraço.