sábado, 20 de setembro de 2008





O PAU DURO CONTEMPLANDO O GRELO ENCARNADO
É UM RELÂMPAGO DEVASTADOR
(A porta se abre com a fúria do sopro sinfônico)
(à Maria Pintora Frida de São Luís )



Os casais adoecem de tanto brigar, inglória atitude,
impotência, morbidez injusta, cegueira, falta de tesão, pica inútil,
xereca vazia, caralho que nunca vê o sol,
buceta arreganhada para nada

Minha poesia adora ver a porra encandecente transbordar
o canal da vagina, o útero, o ventre, a boca, o anus
e escorrer sem parar pelas coxas gargantas
até o sul da criança rubi

Foder até a foda se tornar um livro de histórias
Foder até o fim das guerras idiotas

O pau duro contemplando o grelo encarnado
é um relâmpago devastador

Pablo Picaso dorme nu sobre a sombra das tintas
de suas mulheres toreadas
A lança que não fura o boi atravessa as bolhas
que se formam nas camadas tênues
da geométrica vontade

Rei e Rainhas brincam de brincar
diante da porta do templo da gestação

A porta se abre com a fúria do sopro sinfônico
A porta se abre para espalhar o pigmento
do fascínio ensurdecedor

(Edu Planchêz)

Nenhum comentário: